fbpx

Versão em Áudio: Ouça Aqui

Atualmente temos a oportunidade de fazer o que bem quisermos.  Isso sem que acabemos morrendo de fome, principalmente sem nos importarmos com a opinião alheia. Mas não é tão simples assim, o empreendedorismo e os caminhos que nos são oferecidos nessa era da avalanche de informação podem mais nos cegar do que ajudar a escolher um caminho “certo”.

E neste artigo tenho apenas dois objetivos sobre opinião alheia.

  • te ajudar a entender o ponto de vista da influência dos nossos pais.
  • te dar o poder de decidir o seu próprio destino (com consciência).

Entenda que nem nossos pais nem a opinião alheia são perfeitos. Não importa se você tem 15 anos ou 45, os mesmos comportamentos vão existir de forma similar. O modo de proteger os filhos que nossos pais adotam é baseado na geração deles (e não na nossa). Mas aqui vem o grande problema da opinião alheia: muitas das respostas que eles possuem já não são mais válidas. E, pior, podem ser de alto risco.

“Faça um concurso público e seja médico”, diz a opinião alheia.

A frase acima resume, basicamente, a solução para os problemas de uma geração inteira sobre opinião alheia. A geração em que a fome, desemprego e latifúndios eram o pensamento padrão da sociedade. E leva tempo até uma mentalidade desaparecer, por isso que transições são graduais (por mais rápidas que sejam). Mas antes de dizer aos seus pais que você vai fazer o que bem entender,

que tal entender melhor os dois lados e não somente o seu?

Isso poderá (e será) bem mais proveitoso para você do que para seus pais ou para a opinião alheia. Talvez seguir conselhos sobre sua profissão ou de fazer concursos seja o que você precisa. Ou, quem sabe, você precise largar seu emprego público para se aventurar no empreendedorismo e conseguir encontrar a sua paixão para viver.

Vamos descobrir qual sua resposta certa para a opinião alheia?

Opinião Alheia no Passado: O Lado Bom dos Conselhos Dos Pais

Entender, respeitar e absorver a opinião alheia é necessário, mas é preciso certo cuidado.
Entender, respeitar e absorver a opinião alheia é necessário, mas é preciso certo cuidado.

Tudo funciona em ciclos na opinião alheia.

Você pode pensar que seus pais estavam errados, mas eles estavam tão errados quanto você estará em relação aos seus filhos. Estavam certos baseado no contexto deles. E aqui vem o grande segredo da opinião alheia: na geração passada (provavelmente na dos seus avós), ignorar o conselho dos pais poderia significar morte. Simples assim.

Mas muitos conseguiram prevalecer.

Mas nem todos. E se eu te desse, hoje, duas opções de escolha sobre a opinião alheia? A primeira é de trabalhar na lojinha da sua família e ter uma vida pacata. A segunda é de montar sua empresa e ter a chance de morrer de fome. Você optaria por qual? Hoje já não é assim e nós, mesmo tendo planos dando errado, dificilmente vamos acabar com fome. Talvez no SPC, mas nada muito além disso para a grande maioria do Brasil.

Então, no passado, seguir os conselhos era sobreviver.

Os pais eram vistos como autoridade máxima (bem como a opinião alheia). E a sua rede de relacionamentos não se expandia muito além deles. Portanto, como você poderia expandir sua mente e entender conceitos complexos, como do Anel de Giges? Não poderia. A única fonte do conhecimento profundo, lá em 1950, eram as universidades (que eram bastante impossíveis para a maioria).

E isso nos dá uma percepção melhor da época.

Contexto: o Que Mudou de 1950 Até Hoje Na Opinião Alheia?

Afinal, opinião alheia em excesso também é veneno.
Afinal, opinião alheia em excesso também é veneno.

Você pode empreender hoje mesmo.

Essa é a primeira mudança: Empreendedorismo. Saciadas as necessidades básicas e tendo tempo sobrando (mesmo que apenas 1h por dia), hoje é possível empreender e criar sua própria empresa. Isso significa um diferencial enorme, principalmente com a era da avalanche de informação.

Ao contrário de 1950, hoje temos tudo ao alcance.

Você quer saber como fazer truques de cartas sem se importar com a opinião alheia? Antes, truques assim eram ocultos sob 7 chaves por ilusionistas. Hoje, basta fazer uma pesquisa no Youtube e você descobre. Quer descobrir como fazer comida com baixíssimo orçamento e lidar com suas finanças ao mesmo tempo? É simples, tem profissionais excelentes focados em te ensinar isso rapidamente.

Até mesmo profissões são ensinadas online.

E qual proveito você tem tirado disso tudo? Talvez se tornar uma esponja de conhecimento não seja o ideal para se ter uma profissão que você deseja. E aqui é introduzido outro problema: se você sabe tudo, não é especialista. E será que isso é ruim? Pessoas como Elon Musk são generalistas (mas de uma forma bem profunda). É aqui que entra o autoconhecimento para saber o que seguir.

E toda essa informação (e comida) geram um problema.

A informação está aí por conta da internet, a comida está na mesa por conta dos avanços de logística, produção e automação da produção agrícola. E, com isso, acabamos superando um novo nível da Pirâmide de Maslow e atingindo um nível em que precisamos ter um propósito de vida. E isso independe da opinião alheia. Isso pode ser visto mais claramente abaixo.

DEPRESSÃO Não Existia Em 1950 | Como Superar A Depressão Usando Seu Mindset
Watch this video on YouTube.

Propósito é algo que mudou de 1950 para cá.

Em 1950, pouquíssima gente se importava em conseguir atingir seu propósito de vida (mas se importavam com a opinião alheia). Se importavam apenas em conseguir ter comida e conforto em casa. Isso era a felicidade. Hoje talvez você se sinta sobrecarregado com a quantidade de opções que possui. E o motivo disso é simples: você, de fato, tem todas essas opções.

E o que fazer então? Basta continuar lendo e entenderá.

Entender o Contexto é a Chave

Com cuidado, você poderá entender que um bom diálogo é a chave para a opinião alheia.
Com cuidado, você poderá entender que um bom diálogo é a chave para a opinião alheia.

O Itaú mandou uma mensagem na virada do ano…

“Nunca foi tão perigoso ser conservador”

Isso foi devido a simples mudanças na nossa economia nos últimos anos. Uma das taxas que influencia investimentos de baixo risco chegou a cair tanto que inverteu a balança: hoje é mais seguro investir em “investimentos de risco” do que em “investimentos seguros”. Por exemplo, investir na bolsa de valores hoje é mais seguro que investir na poupança.

Aliás, poupança não é investimento.

Mas aqui vem o primeiro perigo de seguir a opinião alheia (ou família). Se você possui uma renda de R$3500 por mês e se sentir tranquilo com a aposentadoria pelo INSS, saiba que as regras vão mudar até lá. Mas vamos supor que não mudem. Se não mudarem, você receberá seus R$3500 tranquilamente.

Sabe quanto esse dinheiro renderia na poupança?

R$478.000,00 ao longo de 40 anos (na taxa de 0,35%a.m.). Isso significa que você coletaria, de juros, R$1992 por mês (menos do que na aposentadoria pelo INSS). E por que estou te falando isso? Porque você já deve ter ouvido alguém falar sobre “investir na poupança”. E não é que esse seja um conselho errado, assim como não é errado contar com a aposentadoria. Você apenas escolhe os prós e contras de cada um. E se, ao invés da poupança, você investir em algum investimento com uma taxa de 0,8% ao mês?

Comparativo do Valor Acumulado Após 40 Anos (na sua conta).

  • INSS: Zero.
  • Poupança: R$478 Mil.
  • Algo Com 0,8%a.m.: R$2.200 Milhões

Não sei se você percebeu, mas antes de você receber sua aposentadoria, aquele valor que você está inserindo no INSS está rendendo todos os meses para o governo, mas é bem provável que você nunca chegue a receber ele todo de volta. Vamos supor que, após 40 anos de trabalho, você se aposenta aos 70 anos e vai viver até os 90 anos, então o retorno do seu investimento (ou salário) mensal (por 20 anos) será:

  • INSS: R$3500,00.
  • Poupança: R$1992,00.
  • Algo Com 0,8%a.m.: R$9160,00.

Tá, por que foquei tanto nisso?

Porque talvez seguir o caminho da opinião alheia seja o pior erro da sua vida. Talvez você ainda esteja lutando com todas as suas forças para fazer a faculdade dar certo, já está até com depressão mas não consegue de forma alguma ser um bom aluno e sequer ver um futuro após sua formação.

Tudo que você quer é agradar seus pais.

E, pior ainda, talvez você já tenha terminado a faculdade e tenha conseguido um excelente emprego pagando R$6000,00 por mês e seja elogiado constantemente por todos ao seu redor pelo seu sucesso. E ninguém se importa se você gasta ¼ da sua renda em baladas e bebidas. Ninguém nem vê quando você corre pro banheiro pra tentar conter uma crise de choro. Ninguém se importa com o fato de você odiar segunda feira. Nem por #sextar no Instagram com um Red Label na mão com duas pessoas que você nem sabe o nome e estão brindando com você.

Ou talvez esteja tudo bem…

Mas um colapso nervoso por escolhas que não são suas possuem sintomas similares ao que falei acima. Nós procuramos fugir do que, inconscientemente, não escolhemos ter. E quando você passa muito tempo seguindo os conselhos dos seus pais, acaba sendo muito difícil sair da zona de conforto. E talvez esse seja o maior problema em seguir os conselhos dos pais: você se torna o que eles desejam que você seja.

Mas lembre-se: é preciso analisar o contexto.

A primeira parte a analisar é o seu DNA. Seu DNA molda você. Grande parte do seu comportamento e até mesmo do seu pensamento vem direto do seu DNA. E aqui vem a parte super importante: seus pais já viveram a vida deles e sabem bem melhor como conviver com os diversos traços que você também possui.

Se você puder ter diálogo, excelente.

Diálogo com seus pais significa uma incrível adaptação ao seu contexto atual e ao seu próprio DNA. Essa conversa aberta e respeitosa pode ser o diferencial do seu sucesso. Entendendo as dificuldades que seus pais tiveram e usando isso ao seu favor farão você avançar para conquistas incríveis. E quem sabe seja até bom conversar com seus pais sobre a opinião alheia.

E Quando Adaptar a Opinião Alheia à Época Atual?

Não estamos mais em 1950, mas algumas coisas ainda serão iguais.
Não estamos mais em 1950, mas algumas coisas ainda serão iguais.

E se você ignorar a opinião alheia?

O primeiro benefício disto é que você saberá, exatamente, qual vida que você quer ter. Sem influências, sem cometer erros (que já foram fórmulas do sucesso) nem nada similar. Você conseguirá descobrir um modo único de viver sem se importar com a opinião alheia. O seu modo único de viver. Claro que isso não é tão simples e será muito sofrido.

Seguir somente seu caminho é começar do zero.

Talvez uma boa abordagem seja mesclar e entender a importância de cada abordagem. Se você ouvir o conselho dos seus pais, mas antes de seguir cegamente, criticar e entender como aplicar na sua realidade, você terá muito mais chances de atingir o que deseja na sua vida.

E o que isso significa, na prática?

Que você deve sim seguir o seu caminho e não o da opinião alheia, mas que talvez seja bom que você possua uma certa base e um caminho para começar antes de seguir seu caminho cegamente. Seguir o seu caminho exigirá uma certa dose de sofrimento pois você precisará errar bastante antes de acertar com consistência (lembre-se: você partilha o DNA dos seus pais).

Mas tudo bem se essa for sua vontade.

A verdade é que, quando você tem uma missão de vida real e com propósito bem delineado (algo que só pode ser atingido com autoconhecimento), então é bem mais certo que você não precisará fugir da realidade com bebidas, relacionamentos ruins ou esconder sua insegurança torrando dinheiro.

A real felicidade não depende de renda.

E sim, a renda tem um papel importante, mas de que adianta ter uma ótima renda e uma péssima felicidade? Talvez seja melhor ter uma renda de R$3500 e viver feliz todos os dias do que uma renda de R$6000 e viver miseravelmente. Ocasionalmente, tendo prazer com seu trabalho, você chegará aos R$6000. Tudo depende apenas de respeito à sua missão e planejamento de vida. 

E esse planejamento só pode ser feito com independência.

Independência de pensamento. Ter a influência dos pais pode ser benéfico para te dar um Norte, mas se você não tiver independência de pensamento, como fará seu planejamento de vida? Como fará um planejamento para que você siga se ele for baseado no caminho de outra pessoa? Caso você tenha, realmente, seguido seus próprios conselhos e seu próprio caminho, você terá a oportunidade de poder ter completude no que você faz e felicidade nesse caminho (desviando da opinião alheia).

E qual a resposta certa, afinal?

O caminho do meio costuma ser a resposta padrão do autoconhecimento. Nada muito exagerado mas também nada ausente. Ir para a faculdade ou abrir uma empresa? Terminar o namoro ou aguentar essa crise? Café ou chá? A única forma de descobrir é tendo um meio termo em que você possa testar os resultados.

E é por isso que surgiu o Alô Evolução.

Evoluir na vida não é algo tão simples e precisa ser feito diariamente, de forma a poder te desafiar e colocar em situações em que você tenha desenvolvimento pessoal contínuo. Por isso criei as Jornadas de Desenvolvimento Pessoal, para que você possa receber estes desafios (gratuitamente) direto no seu email.

Basta aceitar o Desafio de Evoluir na Vida.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *