METAS E OBJETIVOS: Os Indicadores Que Conduzem ao Sucesso

Metas e objetivos são o mapa do caminho e das correções de rumo
Metas e objetivos são o mapa do caminho e das correções de rumo

Metas e objetivos são a bússola de direcionamento de qualquer ação ou projeto de sucesso, pois nada funciona se não for controlado.

Metas e objetivos geram os indicadores de monitoramento do desenvolvimento das estratégias, apontam as imperfeições e determinam o progresso das iniciativas.

“Tudo o que pode ser medido está sob controle, o resto está à deriva.”

Esta é uma frase consagrada de Vicente Falconi Campos, um dos consultores mais conceituados do continente, que aplica os métodos de qualidade total e modelos de gestão por resultados.

Metas e objetivos são os temas desta nossa abordagem, onde vamos apresentar as formas como as metas e objetivos interferem no desenvolvimento dos projetos.

A forma como são construídos, as ferramentas de controle e sua importância na correção de rumos e identificação das anomalias.

Vamos avançar sobre a compreensão da base de construção de processos administrativos e planos estratégicos, buscando compreender onde nascem as metas e objetivos.

Como se constroem os indicadores, as ferramentas de monitoramento e como se encaminha as ações corretivas, para aperfeiçoar a direção, esforços e recursos, visando a realização e conquista destas metas e objetivos, possibilitando o avanço do projeto e permitindo a realização, transformando sonhos em realidade.

Metas e objetivos e sua importância em tudo na vida:

Metas e objetivos são a bússola
Metas e objetivos são a bússola

Metas e objetivos são a essência de praticamente tudo na vida.

Ao menos em relação a tudo que seja racional e pensante, pois quando qualquer esforço é direcionado para algo, é preciso monitorar os resultados que se consegue angariar da energia dispensada.

A origem do conceito de importância das metas e objetivos na vida das pessoas, surgiu a partir do momento em que se imaginava determinadas conquistas e se projetava o caminho para atingir este objetivo.

Tudo o que se almeja consiste num objetivo e ele determina os caminhos que devem ser seguidos para atingir o alvo.

As diferenças entre metas e objetivos:

Indispensáveis para quem busca o sucesso

Metas e objetivos apontam para a mesma direção, embora não sejam exatamente a mesma coisa.

Os objetivos são os alvos, onde se pretende chegar, o destino final do desejo e da empreitada de esforços e energia que se está disposto a investir naquela busca e conquista.

As metas, são os objetivos fracionados em partes, que determinam o avanço em diversos setores e em períodos de tempo, determinando se o desempenho dos esforços, investimentos e energia estão andando na direção e ritmo esperados para que o alvo seja atingido, ou em outras palavras, para que os objetivos sejam realizados.

Podemos determinar alguns exemplos de objetivos:

  • Emagrecer 24 kg em 1 ano;
  • Concluir ao menos 1 curso de especialização em 2 anos;
  • Falar 1 idioma estrangeiro em 3 anos;
  • Poupar R$ 5 mil em 2 anos.

Estes são os objetivos a serem atingidos dentro do prazo imaginado e pretendido para cada um dos exemplos.

Partindo destes objetivos, podemos dar alguns exemplos de metas:

  • Emagrecer 24 kg em 1 ano;
    • Emagrecer 2 kg por mês;
      • Emagrecer 0,5 kg por semana;
        • Emagrecer 71 g por dia;
  • Concluir ao menos 1 curso de especialização em 2 anos;
    • Encontrar 1 curso com 2 anos de duração;
      • Cumprir 1/24 do curso por mês;
  • Falar 1 idioma estrangeiro em 3 anos;
    • Atingir o nível básico no primeiro ano;
      • Atingir o nível intermediário no segundo ano;
        • Atingir o nível avançado no terceiro ano;
  • Poupar R$ 6 mil em 2 anos;
    • Poupar R$ 3 mil por ano;
      • Poupar R$ 250 por mês;
        • Poupar R$ 62,50 por semana;
          • Poupar R$ 8,92 por dia;

Objetivos são o alvo final e metas são o objetivo fracionado, em objetivos menores, em menor espaço de tempo.

O entendimento mais adequado sobre o que são metas e objetivos e suas diferenças, pode ser conseguido através do modelo da escada:

As metas podem ser representadas pelos degraus, que vão sendo conquistados em determinado período de tempo, e o acúmulo destas conquistas leva ao topo da escada, que é o objetivo.

Basicamente, meta é uma conquista de curto prazo, enquanto o objetivo, além de ser um conjunto de metas, é pretendido para médio e longo prazos.

Impossível ser mais claro e evidente.

Breve história das metas e objetivos no universo empresarial:

A forma de planejar a realização do futuro
A forma de planejar a realização do futuro

Metas e objetivos não são algo novo e nem mesmo inventado agora e sua história no acompanhamento da humanidade vem de muito tempo.

No universo empresarial, a evolução e o desenvolvimento da humanidade provocaram sensíveis percepções na construção das metas e objetivos e vamos resumir, de alguma forma, esta evolução…

Imediatamente após Henry Ford implementar os novos conceitos da Linha de Montagem, que deu o início aquilo que conhecemos como Revolução Industrial, os americanos passaram a ser referência no mundo, para todas as questões relacionadas com a indústria e o mundo empresarial.

Os modelos de gestão utilizados na época passaram a ser exatamente isto: modelos de gestão.

O mundo inteiro adotava aqueles parâmetros e conceitos importantes se estabeleceram e existem até hoje, naqueles verdadeiros cases de sucesso.

Os americanos consolidaram o conceito de definir objetivos maiores e fracionar estes objetivos em espaços mais curtos de tempo, de forma a acompanhar melhor o seu desenvolvimento.

A ideia era simples, determinando que se empregaria uma certa quantidade de esforço, energia e recursos, para obter determinado resultado, num certo período de tempo.

Os americanos definiram, por exemplo, que para atingir um faturamento anual de 1,2 milhão, era necessário faturar 100 mil num mês.

O acompanhamento deste desempenho neste período, permitia a análise de desenvolvimento das estratégias adotadas.

Depois da 2ª Guerra Mundial, o Japão foi praticamente destruído e entrou em colapso total.

Sinônimo de produto ruim e com problemas de produção eram os japoneses.

Toda a economia daquele país foi arrasada e sobrou muito pouco ou quase nada.

O Japão se fechou para o mundo e menos de 50 anos depois, ressurgiu como a 2ª maior economia do Planeta, onde sinônimo de qualidade passou a ser o produto japonês e o mundo todo passou a ter confiança na qualidade, sempre que encontrava a etiqueta “Made in Japan” em seus produtos.

Mas como aconteceu esta transformação e como eles conseguiram migrar de um estado de caos completo para a supremacia da qualidade e confiança em suas marcas e produtos?

A resposta está associada ao processo de QUALIDADE TOTAL, chamado assim no ocidente.

Um modelo de gestão que privilegia a QUALIDADE acima de tudo e foi completamente construído para resultar na melhor qualidade possível de produtos, sem desmerecer as vantagens do sistema aplicado da produção em série, nascido na Revolução Industrial.

Mas existe um detalhe importante que não pode ser esquecido.

O que aqui no ocidente nós passamos a chamar de QUALIDADE TOTAL, em referência a este método primoroso oriundo do Japão, eles lá chamavam de CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL ou TOTAL QUALITY CONTROL (TQC), onde o caminho utilizado para atingir a QUALIDADE TOTAL sempre foi o CONTROLE dos processos.

A questão é que a base de controle dos processos sempre foram as METAS e OBJETIVOS.

Se desenhava um determinado processo e se acompanhava cada uma de suas etapas, corrigindo as ANOMALIAS e colocando o processo novamente a girar, num sistema conhecido como MELHORIA CONTÍNUA.

O mais impressionante de toda esta transformação, é que a única forma de realizar os OBJETIVOS era, em primeiro lugar, DEFINÍ-LOS.

Depois de definidos, os objetivos eram dimensionados em METAS, que geravam INDICADORES, que eram monitorados para apresentar os resultados daquelas ações durante aquele período de tempo.

Era compreendido que se você estava no PONTO A e queria chegar ao PONTO B, seria necessário investir um determinado TEMPO e um determinado ESFORÇO para fazer esta trajetória e alcançar este objetivo.

Quando você determina este caminho, o faz com consciência e objetividade, procurando avaliar todos os aspectos positivos e negativos daquela meta.

Periodicamente você avalia os resultados de suas ações para verificar se eles estão proporcionalmente de acordo com as expectativas.

Caso isto não aconteça, é porque em algum momento, aconteceu algo que não estava previsto e que atrapalhou a conquista destas metas.

A estas imprevisões se dá o nome de ANOMALIA.

A definição de anomalia é, portanto, “um fato imprevisto que impede a realização dos objetivos.”.

GERENCIAR, NADA MAIS É QUE ATINGIR METAS:

Metas e objetivos determinam os sonhos possíveis e o caminho para alcança-los

Se GERENCIAR É ATINGIR METAS, por lógica, podemos definir que GERENCIAR É ELIMINAR ANOMALIAS, pois são elas que nos afastam de nossas realizações.

Neste ponto surge uma das grandes diferenças revolucionárias entre os métodos de gestão aplicados pelos japoneses em relação ao ocidente…

Enquanto os americanos realizavam uma avaliação mensal de seus resultados, constatando depois de 30 dias que existiam algumas ANOMALIAS e que elas atrapalharam a conquista das METAS previstas.

Os japoneses passaram a dividir seus planos de metas e objetivos em períodos semanais, possibilitando que eles identificassem a ANOMALIA imediatamente, tomando as ações corretivas também em tempo real, provocando a melhoria do processo já na segunda semana.

Não apenas corrigindo a falha e permitindo a conquista na semana seguinte, como talvez, possibilitando a recuperação do que foi perdido na semana em que a ANOMALIA acontecia.

Uma META de faturamento, por exemplo, de 100 mil reais para um mês inteiro, passou a ser visto como 4 METAS semanais de 25 mil cada uma.

Pois, caso na primeira semana a meta não fosse conquistada, a anomalia era imediatamente localizada, corrigida e o processo andava aprimorado até o final do mês, ou até o momento em que nova anomalia fosse localizada.

Parece tão simples e lógico por uma única razão: é simples e lógico.

O segredo do sucesso japonês, além de um talento e uma cultura inquestionáveis, é a imensa capacidade de ver o ÓBVIO e utilizar a LÓGICA em sua forma mais pura e cristalina.

Desde então, se convencionou que, se GERENCIAR É ATINGIR METAS E OBJETIVOS, então, por lógica, GERENCIAR É ELIMINAR ANOMALIAS, pois são elas que impedem a realização dos resultados.

Para eliminar ANOMALIAS, é preciso, em primeiro lugar, identifica-las e isto só é possível, MONITORANDO INDICADORES que vão apontar o desempenho.

Simples assim, nós é que complicamos.

Na vida e cotidiano das pessoas:

Metas e objetivos foram os elementos de controle que mudaram e transformaram civilizações, trazendo o futuro até nós e dando a dinâmica de como as coisas funcionam.

Falamos claramente de um exemplo prático de como metas e objetivos retiraram uma nação sucateada de um pós-guerra e levaram este mesmo povo a uma das principais posições de destaque e respeito dentro da civilização humana.

Tudo o que eles fizeram, como nação, como economia, como força de desenvolvimento, foi traçar metas e objetivos, persegui-las e conquista-las.

Para isto, definiram o que estava fora de lugar e corrigiram, identificando tudo através de análise de indicadores decorrentes dos projetos desenvolvidos.

Você não precisa ser uma grande empresa ou a macroeconomia de uma nação para gerar sua própria transformação.

Na verdade, o que você realmente precisa é utilizar apenas o exemplo e estabelecer um projeto de vida própria embasado em metas e objetivos.

Você precisa definir, com racionalidade, onde deseja estar daqui a 3 anos, do ponto de vista pessoal, econômico, social e intelectual.

Depois, você pega estes objetivos e fragmenta em projetos anuais.

Pega os projetos anuais e divide em objetivos mensais e depois, semanais, desenhando o caminho que precisa ser percorrido para, no encontro de todas as metas menores, construir a realização das metas gerais.

Estabeleça seus próprios indicadores, sejam quais forem seus objetivos e acompanhe cada um deles, entendendo porque não conseguiu cumprir um ou outro. 

Faça as ações corretivas para aquelas anomalias, eliminando-as e indo adiante na busca das demais metas e objetivos, com aquela imperfeição eliminada.

Metas e objetivos são, portanto, ferramentas de transformação, a partir do desenho do caminho, do direcionamento dos esforços e dos indicadores a serem perseguidos na realização da felicidade.

Siga os melhores exemplos, aprenda sempre, melhore sempre e tenha uma vida construída em cima de um bom plano de metas e objetivos, pois somente perseguindo metas e objetivos você consegue atingir a realização dos seus sonhos e a conquista da tão desejada felicidade, mas não esqueça, com lógica e simplicidade.

Se você gostou do que leu por aqui, dê uma nova chance a você mesmo de receber conteúdos ainda mais completos diretamente (e com exclusividade). Basta deixar seu e-mail embaixo, nos vemos em breve…

2 comentários em “METAS E OBJETIVOS: Os Indicadores Que Conduzem ao Sucesso”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *