Criatividade: 15 dicas simples para aumentar a sua!

O poder da Mente Criativa
Criatividade Constrói Inovação

Criatividade é a ferramenta estrutural da inteligência.

A criatividade é a liberdade que o pensamento conquista, a partir da evolução da inteligência, e que funciona como o ponto de partida de todas as descobertas, o princípio de todas as invenções e a fonte da evolução humana.

Criatividade é o potencial de transformar as observações em ideias, as necessidades em soluções e o nada, em alguma coisa de valor.

Criatividade é permitir as ousadias da mente, apontando sua vazão para o infinito e abrindo as portas das possibilidades, construindo caminhos onde parece não haver saída, pensando “fora da caixa” e encontrando novas formas de olhar para as mesmas situações.

Criatividade é a evolução da observação, do senso crítico, da ideia purificada e da inquietude de não se conformar com o que parece engessado e definitivo.

Criatividade não é definitiva e sua própria definição é abrangente, permitindo que a própria criatividade encontre maneiras diferentes de explicar a si mesma.

Criatividade é a forma de despertar dos estados mais profundos de imobilidade e encontrar os caminhos para construir a própria felicidade, dando sentido à vida e perseverando como indivíduo, descobrindo os horizontes que levam ao futuro de toda a espécie.

Como explicar a criatividade:

Visões Diferenciadas
Inovar é o desafio de antecipar as soluções do futuro

Criatividade não tem uma definição científica clara, apenas interpretações aproximadas e aceitas.

P. Guilford, um psicólogo americano, criou uma experiência conhecida como o TESTE DO CLIPS, através do qual, o personagem do experimento é provocado a imaginar quantas utilizações se pode dar a um “clips”, com 3 minutos de tempo para apresentar suas ideias.

A média humana vai de 10 a 20 aplicações e qualquer resultado além desta média, demonstra que o indivíduo possui o privilégio de percepção avantajada e da sensibilidade aguçada para observar e entender o mundo à sua volta.

Roger Beaty é um neurocientista de Harvard e apresenta estudos que apontam diferenças evidentes entre os cérebros mais criativos e inteligentes em relação aos cérebros medianos.

Segundo ele, de forma simplificada, o cérebro destas pessoas possui 2 etapas de construção inicial de uma ideia criativa, perceptíveis através do estímulo de determinadas regiões cerebrais, que atuam a partir do surgimento das IDEIAS ESPONTÂNEAS.

Essas, depois de fluírem, parecem ser jogadas para outra zona cerebral, com características de filtro, que ele chama de PENSAMENTO CONTROLADO.

Onde o processo racional avalia o grau de idiotice daquela ideia, permitindo que ela avance nos demais processos de desenvolvimento ou seja abortada ali mesmo.

O estudo de Beaty parece apontar um tempo maior de permanência das IDEIAS ESPONTÂNEAS na área de PENSAMENTO CONTROLADO, indicando que as pessoas mais criativas resistem e demoram mais a descartar uma ideia inicial.

O apreço pelo pensamento faz com que estes indivíduos saibam que, de alguma forma, conseguiram potencial de evolução de pensamentos que, inicialmente, poderiam parecer muito mais estúpidos do que aquele que ele está prestes a descartar, e esta sensação, faz com que ele insista na análise de todas as possibilidades daquela ideia.

Aprofundando seu estudo, Beaty definiu 3 zonas neurais que atuam no processo criativo:

  • REDE PADRÃO: Composto por um grupo neural que produz as ideias de forma global e opera os mecanismos de imaginação simples;
  • REDE DE CONTROLE EXECUTIVO: Grupo neural de avaliação de pertinência e viabilidade das ideias, encaminhando decisões;
  • REDE DE SALIÊNCIA: Classifica as ideias por potencial, relevância e possíveis resultados.

Beaty deduziu que o funcionamento deste complexo de redes opera de forma independente.

O grande fator de descoberta de Beaty é que as pessoas reconhecidamente criativas, conseguem acionar o complexo de redes neurais de forma conjunta, ao contrário da média das pessoas.

O que provoca a aceleração do processo entre o surgimento da ideia em sua forma original, a filtragem de sua viabilidade e a construção intelectual dos prováveis caminhos para sua aplicação e transformação em realidade.

Beaty conclui seu estudo afirmando que, dentre outras descobertas, “o cérebro criativo está conectado de maneira diferente e as pessoas criativas possuem maior capacidade de ativar sistemas cerebrais que tipicamente não funcionam juntos.”

Os 5 componentes básicos da criatividade:

Criatividade se manifesta através de impulsos, que podem ser ocasionais ou provocados, do tipo “preciso encontrar uma solução”.

O cérebro humano é tão incrível em seu potencial que nada é mais estudado que os processos de pensamento e funcionamento cerebral.

Mesmo com tanta ciência, recursos e gênios estudando o cérebro, ele ainda é mais desconhecido do que o nosso sistema solar inteiro.

Sabemos mais sobre a Via Láctea do que sobre o nosso cérebro.

Para nós, os mortais que compõem a média, a forma mais simples de compreender algo é entender os 2 grandes grupos nos quais o pensamento se divide:

  • PENSAMENTO CONCRETO: O pensamento concreto é definido por sua estrutura racional, embasada na lógica e com evidente maturidade de construção;
  • PENSAMENTO ABSTRATO: O pensamento abstrato apresenta um perfil metafórico, com propriedades lúdicas e uma construção mais infantil.

O habitat do pensamento concreto parece ser a zona mais superficial do complexo cerebral, a parte mais consciente, que exerce controle direto sobre as ideias e os pensamentos.

O pensamento abstrato caça borboletas nos jardins das possibilidades em nosso âmago cerebral, permanece perdido entre as fantasias, muito pouco acionado, pode ser visto como “a criança que carregamos através da vida em nossa mente”.

O traço de infantilidade é exatamente o que confere o potencial criativo, pois sua percepção é pura, livre e limpa, sem laços com a realidade e que, exatamente por isto, pode tudo, sem limites, sem barreiras.

O setup de pensamento concreto está ligado em nós de forma permanente, atuando em quase todo o nosso cotidiano, nos mantendo presos ao que, conceitualmente, a sociedade definiu como realidade.

O mecanismo abstrato quase nunca é exigido, a menos em momentos em que alguém, inesperadamente, nos questione sobre “qual a diferença entre uma banana pegando fogo e um navio flutuando?” ou até algo como “o que significa um pingo roxo sobre uma superfície verde?”

O efeito de uma pergunta deste tipo no conjunto neural é o de ativação instantânea do pensamento abstrato, construindo sinapses e conexões que costumam ficar adormecidas, numa quase agoniada busca por alguma espécie de sentido para aqueles questionamentos realmente desafiadores, ausentes do cotidiano.

Possivelmente você está curioso em saber a resposta para estas 2 charadas de exemplo.

Obviamente a sua curiosidade vai engolir sua tranquilidade, pois você terá que se virar para descobrir.

Provavelmente você ficará chateado, obviamente porque ficou curioso e esta é a melhor parte…

A CURIOSIDADE é um dos 5 elementos que constroem a criatividade.

CURIOSIDADE:

Olhares Curiosos Transformam o Mundo
Curiosidade é a coceira do cérebro e criatividade é o que usamos para coçar

Curiosidade é a mãe da vida, da evolução, da inteligência.

Curiosidade é o que instiga e projeta o pensamento na busca pelo entendimento, pela descoberta, pela racionalização.

A curiosidade não aceita afirmações e fatos de forma pura e simples, pois ela se inquieta diante de todas as possibilidades.

É possível observar com clareza o grau de curiosidade de uma criança em relação a um adulto, pois ela encontra-se em franca construção de sua inteligência e a curiosidade é o insumo que ela mais utiliza nesta elaboração.

Curiosidade deve receber estímulos frequentes, pois ela liberta a criatividade e prolifera a inteligência.

Quando o pai ou mãe abre mão da evolução de um diálogo esclarecedor com uma criança, em função de estar pendurado numa TV ou smartphone, está matando o potencial de inteligência do filho.

Leonardo Da Vinci, possivelmente o homem mais inteligente já existente até os dias atuais, afirmava coisas como “vaguei pelos campos buscando a compreensão daquilo que eu não conseguia entender.”

ASSOCIAÇÃO:

Percepções Conectadas
É preciso sensibilidade para perceber o que inspira a criatividade

A liberdade de associar pontos de pensamento que, inicialmente, não teriam conexão, promove um novo caminho de construção de soluções e ideias.

As soluções criadas para resolver um determinado problema, podem encaminhar a solução para outro problema, mesmo que, aparentemente, não possuam nada a ver entre si.

Diversas pessoas bem-sucedidas são exemplos vivos do funcionamento deste processo de associação em construção da criatividade.

O conhecido bilionário Richard Branson, fundador da Virgin, implementou em suas empresas o método ABCD (Always Be Connecting Points), que significa “Esteja Sempre Conectando Pontos”.

Outro exemplo reconhecido de desenvolvimento criativo em seus negócios, foi Steve Jobs, da Apple, com resultados inquestionáveis nos seus processos, oriundos de sua criatividade e de seu espírito de promover a criatividade como principal ferramenta de trabalho de sua equipe.

OBSERVAÇÃO:

O poder da Observação
Observando abrimos a janela para a criatividade e a inovação

Imagine o seguinte diálogo entre Sherlock Holmes e seu fiel escudeiro Watson:

Caro Watson! Pode me responder quantos degraus existem na escada que liga o térreo ao nosso segundo andar, onde estamos agora?

– Não saberia lhe dizer Holmes…

São 17 Watson. 17 degraus naquela escada.

– Mas como você sabe meu nobre amigo?

Pelo simples fato de que, ao contrário de você, que apenas viu a escada milhares de vezes, eu a observei!

Este é um exemplo claro do potencial de observação e sua importância no processo criativo e de construção da inteligência.

Ninguém pode considerar como variável de análise, algo que sequer percebeu.

EXPERIMENTAR:

A Descoberta se Consolida na Experimentação
Experimentar e descobrir é libertar a criatividade

Experimentar é a evolução global do contexto criativo.

Na experimentação, as ideias que cruzaram as demais etapas, chegam no campo da experiência, um teste prático de sua eficiência e viabilidade.

A experimentação é tão positiva no processo de validação de uma ideia, que é parte do MÉTODO CIENTÍFICO.

A experimentação é um avanço para além da nossa zona de conforto e encaminhamento da definição se algo é ou não possível e viável.

REDE DE RELACIONAMENTOS:

Network
Rede de Relacionamentos Produzem e se Alimentam de Criatividade

Os laços e relacionamentos são um importante insumo no processo criativo.

Possuir uma rede de pessoas com satisfatório senso crítico e um perfil considerável de inteligência, abre espaço para que as ideias, depois de passarem por seus filtros internos, sejam compartilhadas, criticadas, evoluídas, ganhando valor nessa trajetória.

Nossa evolução desenvolveu 2 caminhos simultâneos e antagônicos em nossa construção antropológica: a competição e a associação.

Mesmo que sejamos competitivos em nossa essência, também somos capazes de nos associar aos que entendemos similares.

Essa massa humana desenvolve o processo criativo comum, ampliando as percepções e permitindo a prosperidade das ideias de interesse mútuo.

15 dicas para criar e alimentar a criatividade:

Produzindo Criatividade
Criatividade precisa ser alimentada

Assim como a criatividade é uma predisposição genética, a criatividade também pode ser trabalhada, desenvolvida, aguçada.

Somos resultado de um complexo processo evolutivo, composto pelas nossas experiências ancestrais, que guardaram registros em nosso genoma de instintos e caminhos para a sobrevivência e o desenvolvimento.

Tanto a criatividade quanto a inteligência, surgem de forma diferente em cada indivíduo.

Manifestar uma habilidade, ou não, depende de um contexto de oportunidade e necessidade.

O grau de exposição à necessidade, interfere diretamente no conjunto do desenvolvimento criativo.

Alguém que está só, cai em um buraco profundo, precisa encontrar formas criativas de sair dali, para sua própria sobrevivência, acionando mecanismos de inteligência que ele provavelmente jamais utilizaria se não tivesse chegado aquela situação.

Mesmo que alguém não tenha nascido com um nível elevado de criatividade, ela pode ser desenvolvida a partir da inteligência e do conhecimento, que também podem ser desenvolvidos, a partir do reconhecimento de que isto é importante e precisa ser trabalhado.

Certamente não é possível sair do nada e se tornar a pessoa mais criativa ou inteligente do mundo, mas é absolutamente possível sair do ponto onde estamos e nos tornarmos muito mais criativos e inteligentes do que somos.

Sim, somos capazes de uma evolução em relação a nós mesmos.

Vamos analisar juntos estas dicas de como acionar os mecanismos criativos e descobrir as formas de produzir, manter, proliferar, desenvolver criatividade, proporcionando uma ferramenta mais poderosa e que nos leve a resultados mais efetivos e grandiosos.

[captura]

1 – Questionamento permanente:

A Dúvida é Sempre Construtiva
Questionar e duvidar faz a criatividade transbordar

O processo criativo sempre se alimenta do questionamento.

Questionar o óbvio, o mais elementar e não aceitar afirmações congeladas de que “é assim e pronto!”.

Buscar a compreensão profunda do funcionamento das coisas, dos motivos que resultaram em determinada realidade, é a forma de repensar os sistemas e, a partir daí criar a possibilidade de fazer diferente e proporcionar novos e melhores resultados.

São as perguntas mais absurdas que precisam de uma análise melhor para serem compreendidas.

Quando um neto pergunta para o avô quantos quilos de comida um camelo consome num dia, mais importante que a resposta, é incentivar o mecanismo que despertou aquele interesse.

E entender que aquela é uma dádiva de valor imenso, pois possivelmente, a maioria das crianças não fariam este tipo de pergunta.

Quando algum profissional questionar um processo, uma linha de montagem ou uma determinação padronizada, por mais absurdo que possa parecer, certamente aquela é uma oportunidade de fazer uma releitura daquele mecanismo

daquele ponto de dúvida, no mínimo, para concluir que aquela é a maneira correta e que não precisa de alterações.

Jamais tenha constrangimento em questionar qualquer coisa que lhe pareça pertinente e nunca crie constrangimentos para que as pessoas ao seu redor questionem, sempre que se sentirem instigados pelas suas observações, por mais ilógicas que possam parecer.

2 – Uma ideia por dia:

Usina de Ideias
Criatividade é energia

Lance a si mesmo o desafio de ter uma ideia por dia.

Como se fosse um jogo, crie um espaço onde você possa anotar, todos os dias, ao menos uma ideia com alguma consistência, sem absurdos.

O processo criativo pode ser comparado a uma musculatura que, quanto mais acionada, mais se desenvolve e evolui seu potencial de utilização.

3 – Palavras-cruzadas:

Cruzando Palavras
Criatividade precisa ser exercitada

Exercitar o cérebro é a base do desenvolvimento intelectual.

Estimule o seu pensamento e force o seu cérebro a operar “fora da caixa”, a sair da zona de conforto.

Fazer palavras-cruzadas vai criar este desafio, acionando partes pouco utilizadas do complexo neural, ampliando percepções e aumentando espaços de memória útil em seu sistema de raciocínio.

A maior parte das pessoas costuma referir que não tem tempo para quase nada.

Talvez seja necessário ampliar a inteligência para encontrar tempo para o que realmente importa.

Arrume uma maneira e estabeleça uma espécie de hábito de exercitar o cérebro com processos simples como fazer palavras-cruzadas.

Quando for ao banheiro, por exemplo, troque o smartphone pelas palavras-cruzadas, sua vida vai se transformar a partir de pequenos gestos como este.

4 – Faça contas manualmente:

Calculadora Humana
Números são desafiadores e ampliam o potencial de criatividade

Crie o hábito de exercitar seu cérebro, mais precisamente os seus campos lógicos, fazendo contas, operações matemáticas à mão, sem a utilização da calculadora.

Forçar o cérebro a executar processos lógicos em toda a sua extensão, faz com que novos mecanismos intelectuais despertem e se posicionem a serviço da criatividade e inteligência.

5 – Entenda e pratique a música:

A lógica da Música
Todas as possibilidades da música construindo criatividade

Qualquer novo aprendizado enriquece o processo de compreensão da mente.

Compreender a lógica musical e aprender a executar um instrumento, abre um vasto campo no horizonte criativo do cérebro.

Funções que provavelmente morrem com as pessoas, sem jamais serem usadas, são acionadas quando alguém toca um instrumento musical.

Os componentes envolvidos na execução musical, como a lógica harmônica, os processos melódicos, os tempos de execução, os compassos de ritmo, tudo isto exige uma organização neural inovadora, que abre caminhos de sinapses jamais experimentadas.

6 – Libere espaço para seu cérebro funcionar melhor:

A Criatividade Precisa de Espaço
Abra espaço para a criatividade

O cérebro funciona como o HD de um computador.

Na verdade, é o contrário, pois o ponto de inspiração para o funcionamento de um computador é a forma de funcionamento do cérebro.

Assim como no cérebro, o computador, tem armazenamento, processamento e memória.

Nosso cérebro também funciona com ocupação ou liberação de espaços.

Se enchemos nosso cérebro de bobagens, obviamente teremos menos espaços para o que é importante.

Uma forma de liberar espaço útil no cérebro, além de não o alimentar com coisas desimportantes, é anotar a maior parte de processos que podem ser anotados e até automatizados.

Use agendas, utilize as ferramentas de organização e acostume-se a anotar compromissos, detalhes de projetos e ideias, de forma que isto não precise ficar guardado exclusivamente no seu cérebro, ocupando espaço nobre, que pode ser utilizado para processos criativos e de desenvolvimento de novas soluções.

7 – A distração é um ingrediente poderoso da criatividade:

O Nada é o Terreno Mais Fértil para o Todo
Toda a criatividade acontece nos espaços vazios

Esteja pronto para dispersar seu pensamento por alguns momentos durante seu dia.

Distrair a mente para além das fronteiras de suas preocupações, é a forma mais prática de abrir caminhos para encontrar soluções que, à primeira vista, poderiam não aparecer.

Novos horizontes se abrem quando você relaxa e liberta sua mente das amarras daquela linha de pensamento.

O ócio criativo é um elemento psicológico comprovadamente importante para o desenvolvimento dos processos inteligentes, faça uso dele com prudência e responsabilidade.

8 – Mude de ambientes mudando ambientes:

Promova Transformações Ambientais
Prepare o ambiente para a criatividade

Exercite a mudança física para proliferar e favorecer a mudança mental.

Troque os móveis de lugar, mude decorações, troque de sala, experimente novos ares e lugares.

A mudança de cenários agrega novas inspirações criativas no processo de construção do raciocínio e este elemento é transformador do nível de criatividade e inteligência.

[captura]

9 – Faça o tempo trabalhar a serviço da sua criatividade:

Faça o Tempo Correr Atrás de Você
A criatividade não tem hora para se manifestar

Os sistemas de trabalho, como são praticados hoje, costumam ser contraditórios.

Uma empresa contrata um colaborador, esperando que ele dê o melhor de si e, em casos de excelência, consiga oferecer altos níveis de criatividade e inteligência, o tempo todo.

Criatividade e inteligência não podem ser simplesmente acionados a partir de um botão.

Até podem, mas a plenitude do processo criativo é desenvolvida a partir de um processo de preparação, de facilitação para seu acontecimento.

Podemos fazer o doutor Banner se transformar no Hulk se o deixarmos com bastante raiva, mas como fazer para que o ápice da criatividade e inteligência flua exatamente dentro do horário comercial?

As melhores ideias do mundo surgiram debaixo do chuveiro, em meio a uma caminhada, enquanto o autor estava navegando ou simplesmente deitado, olhando para o teto, sem fazer nada, as 04:32 a.m.

Busque a compreensão de seu processo criativo e preserve esta dádiva, dando tempo, o seu tempo, para o seu acontecimento.

10 – Mantenha viva a criança que habita em você:

Liberte a Criança que Existe em Você
Criatividade é uma criança feliz e sorridente

A criança que habita em você jamais morreu, desapareceu ou sumiu.

A criança que habita em você ainda está lá, sufocada por compromissos, compreensões do universo adulto, responsabilidades e problemas.

Aprenda a abrir espaço para a simplicidade de pensamento da criança que habita em você e permita que ela deite seu olhar de humildade, curiosidade e pureza sobre os elementos de seu cotidiano.

Percebendo que transformações aparecem a partir desta nova ótica, que não precisou de muitos malabarismos para aparecer, pois sempre esteve e estará lá, nos olhares da criança que habita em você.

11 – Escrita manual fortalece o pensamento:

Deixe Sua Mão Navegar no Oceano do Papel
Criatividade é um barco errante livre no oceano da sensibilidade

Se acostume a escrever à mão livre.

Experimente exercitar sua caligrafia, o equilíbrio das palavras, o ato de manter a linha reta e sem distorções.

Escrever à mão cria uma cumplicidade entre o ato de escrever e o processo criativo.

O tempo maior que você costuma levar para escrever à mão, permite um melhor ajuste das ideias, até elas partirem de sua mente, ganharem suas conexões nervosas e se derramarem feito palavras navegando no mar branco da folha de papel.

Escrever manualmente solidifica e consolida a ideia na mente de uma forma que nenhuma outra maneira de registro consegue.

Não precisa ser sempre, mas exercite este processo de vez em quando.

12 – Tenha a certeza de que aquele é o problema verdadeiro:

Mire no Problema Certo
Não desperdice sua criatividade mirando no alvo errado

Imagine o desperdício de debruçar todo o seu processo criativo na busca pela solução do problema errado.

Tenha convicção da estrutura do problema e o que precisa ser resolvido.

Nada no corpo humano consome mais energia, nutrientes e oxigênio que o cérebro.

Qualquer esforço intelectual é desgastante e provoca uma certa sensação de cansaço.

A energia intelectual é um bem primoroso e deve ser dedicado às questões relevantes.

Identificar os problemas, sua ocorrência, impactos e relevância, é fundamental para atuar com correção nas soluções que realmente importam e que podem fazer a diferença.

13 – Nunca descarte o improvável:

Pense no Que Não Faz Sentido
A forma crua da criatividade, normalmente não faz sentido

Pensar na forma mais idiota possível para resolver um determinado problema é uma das formas de conectar os pontos que normalmente não se conectam.

O improvável abre os caminhos para as novas percepções e força o cérebro na direção criativa.

O campo adormecido do pensamento abstrato é acionado quando buscamos uma visão improvável sobre um determinado ponto.

O desafio de encontrar caminhos prováveis para o improvável, produzem, certamente, ideias inovadoras e soluções criativas.

14 – Tente imaginar soluções para os problemas dos outros:

Exercitar Soluções
Exercitar a criatividade na realidade dos outros

Apenas por hobbie, quando estiver em situações aleatórias do seu cotidiano, tente imaginar que melhores soluções você daria para os problemas dos outros.

Se observar alguém estacionando o carro, por exemplo, tente imaginar que outra forma você utilizaria para estacionar aquele veículo, ou até mesmo, que outra solução de mobilidade seria útil naquele lugar.

Quando estiver numa fila de uma lotérica, imagine que processos poderiam ser melhorados, se o problema de gestão fosse seu.

Quando estiver num restaurante, imagine como faria para proporcionar um atendimento mais rápido, ou um cardápio mais criativo.

Os problemas do mundo são uma grande fonte de inspiração criativa.

15 – Novos idiomas são desafios de desenvolvimento intelectual:

Coloque a Mente para Funcionar
Faça funcionar o motor da sua criatividade

Assim como aprender música e executar um instrumento musical, aprender um novo idioma é um dos mais completos desafios aos quais você pode submeter sua inteligência.

Aprender um novo idioma vai exigir todo um novo processo de utilização de novas áreas cerebrais, construindo toda uma estrutura de compreensão paralela do mundo.

Quem fala inglês, por exemplo, possui 2 hemisférios de compreensão da realidade, um em inglês e outro em português.

Quem fala outro idioma precisa, necessariamente, pensar neste outro idioma, trazer a realidade para esta nova língua e concatenar as ideias a partir de cada novo significado.

Todo o processo de aprendizado de um novo idioma vai enriquecer suas sinapses e ampliar a perspectiva de sua capacidade intelectual.

A criatividade, vai junto neste embalo.

Nada é mais valorizado que a criatividade:

A Máquina de Aprender
Criatividade exige aprendizado contínuo

Criatividade é parte da “máquina de aprender”.

A “máquina de aprender” é o elemento mais valioso que uma pessoa possui.

Manter a “máquina de aprender” sempre lubrificada, pronta para funcionar em plenitude e oferecer as melhores respostas para as perguntas mais desafiadoras, é um diferencial de evolução pessoal que não é para qualquer um.

No universo corporativo moderno, aprendemos que existe algo que vale muito mais que todo o conhecimento que alguém pode reunir, que é a sua capacidade de aprender.

Com uma “máquina de aprender” potente e funcional, mesmo que o indivíduo não saiba algo, ele consegue aprender.

Quando a “máquina de aprender” para de funcionar, aquilo que ele sabe é o máximo onde ele pode chegar e, como o mundo não para de evoluir, um minuto sequer, deixar de aprender é obter a morte intelectual antes da biológica chegar.

A criatividade é o combustível da “máquina de aprender” e ela que gera os novos aprendizados e toda a evolução nasce em alguma “máquina de aprender”.

Qualquer pessoa que busque o desenvolvimento pessoal, que queira empreender e entenda que qualquer atividade que gere resultados é uma espécie de empreendedorismo, sabe que para criar, inovar, estabelecer um padrão de criação contínua e frutífera, precisa manter a sua “máquina de aprender” alimentada com o melhor que possa oferecer em criatividade e superação dos pensamentos engessados.

Se o seu desafio é encontrar um rumo, esta é a oportunidade de exercitar sua criatividade, de “pensar fora da caixa” e desafiar seu próprio intelecto a escrever novos caminhos, a enfrentar novos desafios, a estabelecer novas fronteiras no seu campo intelectual e, com a criatividade como instrumento inovador, abrir novos rumos na própria vida, transformando frustração depressiva em habilidade evolutiva.

As ferramentas estão todas em você e, como tudo na vida, vitória ou derrota dependem em essência, apenas de sua escolha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *