Apego Emocional: TUDO o Que Você Precisa Saber em 5 Minutos!

Depender de fatores externos para sentir-se bem é uma forte característica do apego emocional. Um sentimento normal quando se trata de relacionamentos humanos.

Quando falamos de apego emocional, o que vem em mente é relacionamentos interpessoais, mas esse também pode estar relacionado a posses, hábitos, lugares e lembranças.

Estar apegado emocionalmente a algo/alguém é normal e pode ser bom quando isso reflete cuidado e atenção para com pessoas e coisas que valoriza. No entanto, pode se tornar um problema grave quando passa a ser nocivo e doentio.

O objetivo desse artigo é convidar você a refletir sobre até que ponto, o sentimento de apego é saudável.

Dessa maneira, convido você a ler e refletir sobre os seguintes pontos:

Me acompanha nessa reflexão?

O Que é Apego Emocional?

O que é apego emocional?

De maneira prática, o apego emocional é a tendência de facilmente estabelecer uma relação de dependência com pessoas, crenças, hábitos, bens materiais e momentos. 

É sentir-se incapaz de deixar algo ou alguém partir. Esse apego pode ajudá-lo a se sentir seguro, confortável e feliz.

Pessoas com forte apego emocional encontram dificuldades em fazer mudanças ou simplesmente sair de sua zona de conforto, aceitar que a vida é feita de ciclos e partir para novas experiências.

É claro que existe um “nível” de apego saudável. Por exemplo, se pararmos para pensar quando sentimos saudades de um amigo ou familiar. 

No entanto, o problema começa quando você sofre ao se afastar de algo ou alguém. Você se conecta às pessoas, posses, hábitos e desenvolve uma resistência a tudo o que é novo e diferente. 

Ou seja, significa que se perder algo a que está apegado, sofrerá. Você passa a associar sua felicidade e bem-estar, ao fato de ter coisas e pessoas próximas a você.

Apego Emocional e a Dificuldade de Deixar Ir

Você conhece casais que têm relacionamentos ruins e ainda assim não se separam?

Essa cena não é incomum, pessoas em relacionamentos ruins e sofrendo, mas permanecem em um namoro e/ou casamento, uma vez que sentem-se incapazes de terminar o relacionamento. 

O apego também pode ser relacionado a bens materiais.

Nesse caso, existe a dificuldade de jogar fora ou doar objetos que não usa mais. Você conhece alguém que acumula um monte de tralha e não se desfaz de nada?

Não sei se você já ouviu falar, mas existe até uma série na tv fechada, chamada Acumuladores Compulsivos. Nela são retratados casos extremos de apego material e dificuldade de se desfazer.

Vovó acumuladora | ACUMULADORES COMPULSIVOS
Watch this video on YouTube.

No caso de pessoas como a Vovó do vídeo, elas estão tão apegadas ao seu estilo de vida atual, que pensar em qualquer mudança que as tire da zona de conforto, torna-se ameaçador.

Tipos de Apego Emocional

Tipos de apego emocional

Apego Emocional às Pessoas

É o tipo de apego mais comum. Você se sente tão bem e feliz ao lado de alguém que passa a ter pavor que aquilo acabe.

Sendo assim, você passa a associar o seu bem-estar e segurança, ao fato de ter esse alguém por perto e quando não tem, sente-se ansioso, incapaz e infeliz.

Apego Emocional às Posses

Você conhece pessoas que compram e acumulam muitas coisas? Pessoas que ficam tristes ou com raiva quando perdem ou quebram algo?

Essas são características de pessoas com forte apego a bens materiais. Ou seja, a associação de bem-estar e segurança da pessoa está atrelado às posses. 

Apego Aos Hábitos

E aqui podemos falar tanto de hábitos bons, quanto ruins.

Dessa maneira, mesmo que você esteja apegada (o) a um bom hábito, pode vir a sofrer quando não conseguir cumpri-lo, portanto existe um apego nocivo nisso.

Mas vamos nos concentrar ao que é mais comum, o apego a hábitos ruins. Por exemplo, uma pessoa que fuma, sente que não pode viver sem o hábito. 

Na maioria das vezes, as pessoas têm dificuldades de abandonar o hábito, já que, ele faz com que se sintam seguras.

Apego Emocional a Situações e Lugares

Aqui já estamos falando de um apego um pouco mais incomum.

O apego a lugares e situações pode ser ilustrado pela imagem de uma pessoa que viveu a vida toda em uma cidade pequena do interior e recebe uma proposta para trabalhar na capital.

E talvez essa pessoa queira muito esse emprego.

Talvez ela queira conhecer algo novo e diferente, mas só de pensar em sair da sua vida pacata e aderir o estilo de vida louco de uma capital, a pessoa fica em choque.

Dessa maneira, o apego pelo lugar e situação que vive impede a pessoa de viver algo novo que deseja.

Apego Emocional às Lembranças

Esse talvez seja o tipo de apego mais difícil de se identificar, mas ele costuma estar bem presente em nossas vidas.

Acontece quando, por exemplo, você associa o seu bem-estar e estado de felicidade, a algo que aconteceu no passado e já acabou. 

Por exemplo, vamos supor que você esteve em um relacionamento que acabou seja lá por qual motivo. Você ficou muito mal pois realmente acreditava que a pessoa era sua alma gêmea, o seu príncipe ou princesa da Disney.

No entanto, a partir dessa lembrança, você se fecha completamente para novas experiências amorosas e fica preso ao relacionamento anterior que, por sua vez, já acabou.

Sendo assim, você está apegado emocionalmente as suas lembranças.

Apego Emocional é a Mesma Coisa Que Amor?

Apego emocional é a mesma coisa que amor?

Antes de mais nada, apego emocional e amor não são a mesma coisa. No entanto, o apego saudável é parte da construção de um amor duradouro.

Sem uma certa dose de apego saudável, é possível que uma das pessoas procure outro parceiro(a) quando o relacionamento passar por alguma turbulência.

A intensidade e energia para transmitir sentimentos de amor e admiração em relacionamentos, costuma diminuir ou no mínimo, são menos valorizados com o passar do tempo. 

Nesse caso, o apego saudável pode ser algo bom e ajudar para que ambos sintam-se seguros e realizados.

Como Saber Se o Apego Emocional é Saudável?

Como saber se o apego emocional é saudável?

Normalmente, quando amamos alguém, não nos relacionamos com essa pessoa por interesse em algo que ela possa nos fazer ou fornecer.

Você gosta dela, independente do que ela pode oferecer a você.

Dessa maneira, relacionamentos saudáveis e baseados no amor são compostos de entrega e apoio mútuo, vai além de apenas sugar o que a pessoa tem, é vontade de construir. 

O apego, por sua vez, pode surgir quando uma pessoa considera que alguma de suas necessidades de intimidade, companheirismo e apoio não estão sendo atendidas por alguém.

Ou seja, ao encontrar alguém que supre essas necessidades, a pessoa gruda na outra e é aí que mora o perigo do apego emocional.

Todos nós temos necessidades e anseios. Na verdade, não há nada de errado em buscar um parceiro(a) que atenda nossa expectativa.

No entanto, é importante que você não dependa exclusivamente de outras pessoas para se sentir bem e feliz.

Dessa forma, seja o seu/sua melhor amigo(a)!

Quando Se Torna Algo Ruim?

Quando se torna algo ruim?

Se torna ruim quando você passa a atrelar seu bem-estar e vida a situações e pessoas externas a você. 

Você passa a vincular seu bem-estar a momentos em que seu parceiro (a) fornece a você atenção, apoio e validação.

O que por sua vez, cria uma dependência emocional que pode levá-lo ao sofrimento.

Apego Emocional: Os Sinais de Alerta

Apego emocional: Os Sinais de Alerta

#1. Aprovação Externa

Não preciso escrever por várias linhas, sobre a importância de cultivar autoconfiança e valorizar os seus gostos e escolhas. Isso define quem é você aos olhos dos outros e oferece ao mundo a sua maravilhosa individualidade. 

Dessa maneira, é um problema quando a sua autoestima e autoconfiança passam a depender totalmente de fatores externos, como por exemplo, a consideração de seu/sua parceiro(a).

#2. Perda de Identidade

Muito comum em relacionamentos tóxicos e abusivos, porém pode ocorrer mesmo fora desses modelos de relação. 

Não é incomum que, ao começar um relacionamento, algumas pessoas passem a remodelar os seus hábitos e gostos para “combinar” com o seu parceiro, mesmo que isso ocorra de maneira inconsciente.

O grande problema é que você perde de vista quem realmente é e passa a pensar e agir conforme os interesses de seu/sua parceiro(a).

Com o passar do tempo, abrir mão de quem você é e das coisas que gosta pode gerar uma grande insatisfação e arrependimento.

#3. Dependência

É importante cultivar a autoaceitação e amor próprio.

Caso contrário, você corre o risco de buscar de forma incansável, alguém que o complete nesse sentido, sempre a procura de segurança e aceitação externa.

E se por acaso, o relacionamento terminar ou rotinas e compromissos começarem a atrapalhar essa atenção que recebe de fora ?

No entanto, o medo de perder pode se tornar tão forte e inclusive se tornar uma paranoia.

Desencadeando comportamentos problemáticos como: ciúmes, investigação e sentimento de posse.

#4. Desequilíbrio

Uma relação pautada na dependência de uma das partes resulta em um desequilíbrio do todo.

Isso porque, a pessoa dependente passa a solicitar atenção e apoio o tempo todo, sobrecarregando assim o/a parceiro(a), que por sua vez oferece seu tempo e atenção sem receber o mesmo em troca. 

Com o passar do tempo, isso vai destruindo o relacionamento, seu/sua parceiro(a) pode chegar ao ponto de sentir-se esgotado, ressentido e sem apoio.

#5. Obsessão

Você provavelmente já conheceu pessoas assim. São os famosos “detetives” por opção.

Quando existe um apego emocional nocivo, quem sofre com isso, passa a seguir o/a parceiro(a), seja na vida real ou mesmo nas redes sociais.

Isso é resultado de uma excessiva falta de autoestima e autoconfiança.

Quando falamos de perseguição online as coisas pioram e muito.

Hoje, com a popularização do acesso a internet e smartphones, é possível verificar constantemente atualizações e os passos sobre a vida de alguém.

Saber se aquela pessoa está online e em alguns casos, saber que ela visualizou uma mensagem e não respondeu.

#6. Egoísmo

Alguém com forte apego emocional pode acreditar que a vida de seu/sua parceiro(a) gira em torno dela. Dessa maneira, o sentimento de posse toma conta da relação.

Pensamentos como:

  • Se ela não for minha, não será de mais ninguém;
  • Se não fosse por mim, ele não estaria onde está hoje;
  • Ele(a) só está bem hoje por minha causa.

Gostar verdadeiramente de alguém, implica em aceitar e respeitar a independência do outro e se for o caso, deixá-lo ir embora e seguir com sua vida após o término do relacionamento. (se esse for o caso)

Controlando o Apego Emocional

Controlando o Apego Emocional

Você deve sempre ser sua prioridade NÚMERO 1 e, portanto, é importante estabelecer primeiro uma conexão emocional saudável consigo mesmo.

Dessa forma, invista tempo em:

  • Autoconhecimento para se reconectar a quem verdadeiramente é;
  • Estimular sua individualidade no sentido de tirar um tempo para você, para fazer coisas que gosta;
  • Construir relacionamentos positivos e livres de amarras emocionais, isso fornece segurança e autoestima e reflete em seus futuros relacionamentos (amorosos ou não).

Você deve ter percebido que a linha do apego emocional saudável e nocivo é bem estreita. 

No geral, o apego é um componente normal em relacionamentos, no entanto, para que seja saudável é fundamental avaliar se existe apoio emocional mútuo dos envolvidos. 

Caso contrário, uma das partes ficará mal por somente oferecer apoio e não receber o mesmo em troca. A outra pessoa, por sua vez, passa a se sentir cada vez mais dependente do tempo, atenção e afeto de seu/sua parceiro(a).

Com o passar do tempo, isso tem grandes chances de destruir um relacionamento e fazer com que as partes sofram.

Sendo assim, trabalhe o seu apego emocional para que seja algo saudável.

Espero de verdade que esse artigo tenha ajudado você a conhecer mais sobre esse sentimento tão comum em relacionamentos, sejam eles amorosos ou não.

Fique à vontade para compartilhar a sua história, dicas e formas para encarar melhor o sentimento de apego emocional, esse espaço foi criado para isso, para que possamos trocar ideias, aprender e evoluir 0,1% todos os dias.

Muito obrigado pelo seu tempo e atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *